Portugal sai da recessão com crescimento de 1,1% no segundo trimestre

PIB Portugal

«Crescimento das exportações e quebra menos acentuada do investimento suportam crescimento do PIB face aos três primeiros meses do ano.

Ao fim de dez trimestres consecutivos em contracção, a economia portuguesa interrompeu o ciclo recessivo dos últimos dois anos e conseguiu crescer pela primeira vez no segundo trimestre, com o Produto Interno Bruto (PIB) a registar uma progressão em cadeia de 1,1%.

Para o crescimento entre Abril e Junho contribuíram a quebra menos acentuada do investimento, nomeadamente no sector da construção, e o aumento das exportações numa altura em que também a zona euro interrompeu o ciclo recessivo (cresceu 0,3% face ao primeiro trimestre). Mas os dados que o Instituto Nacional de Estatística (INE) publicou nesta quarta-feira, onde é avançada a estimativa do PIB português, não significam que 2013 deixará de ser um ano de recuo da actividade económica no país.

O desempenho da economia entre Abril e Junho continua a ser inferior ao observado no mesmo período do ano passado, registando-se uma quebra homóloga do PIB de 2%. E, apesar da recuperação face aos três primeiros meses do ano, 2013 continuará a ser um ano de travão no consumo privado, no investimento e na procura interna, num contexto marcado por níveis de desemprego historicamente elevados.

Se, para a zona euro, se prevê uma recuperação gradual – com a Alemanha a assumir o papel de motor da moeda única e com França a sair da recessão –, para Portugal, a perspectiva é de que a actividade económica caia menos na segunda metade do ano, em parte à boleia do aumento das exportações.

Para isso, terá de contar com uma conjuntura externa mais robusta, em que será determinante o desempenho da zona euro, ainda a recuperar do mais longo período de recessão desde a criação da moeda única. É para lá que seguem mais de dois terços dos produtos exportados por Portugal (sobretudo para Espanha, Alemanha e França, que, juntos, representam 47% de todas as exportações portuguesas). E para a estabilização da actividade económica até ao final do ano será decisivo o desempenho destes principais parceiros comerciais.

No segundo trimestre, as exportações cresceram 6,3%, mas se Abril e Maio foram meses em que as vendas ao exterior aumentaram, em Junho houve uma contracção, quebrando a sequência positiva que sustenta os dados do conjunto dos três meses.

Várias previsões iam no sentido se registar um crescimento trimestral do PIB, mas o valor agora estimado supera as projecções de várias casas de análise, sendo, aliás, o maior crescimento trimestral entre os países da zona euro para os quais o Eurostat divulgou dados. O Núcleo de Estudos de Conjuntura sobre a Economia Portuguesa (NECEP) da Universidade Católica deu o tiro de partida, ao estimar que o PIB tivesse crescido 0,6% face ao primeiro trimestre, a mesma projecção feita pelo gabinete de estudos económicos e financeiros do BPI. O Montepio antecipava uma variação positiva de 0,4%, uma décima de diferença em relação à estimativa do banco francês Crédit Suisse (0,3%).

Também França saiu da recessão no segundo trimestre, ao crescer 0,5% face aos três primeiros meses do ano, mais do que previam os analistas, já a contar com o fim do ciclo recessivo na segunda economia da moeda única. E também o motor da economia da moeda única, a Alemanha, ao crescer 0,7% teve um desempenho melhor do que projectavam os analistas. Pelo contrário, Itália e Espanha continuaram em recessão, com quebras do PIB de 0,2% e 0,1%, respectivamente.»

Fonte:  (Público)

Anúncios